segunda-feira, 5 de julho de 2010

Quiçá

Aos passos que meus olhos compreendem a individualizada evolução dos homens
sinto um leve asco pairar sobre meu estômago
Quiçá seja a sutil verossimilhança entre a hipnopédia dos romances de Huxley
e as propagandas com seu beharviorismo tênue, promovidas pelo olho absorvente: TV
ambos tão enredados que,
me vêm a mente a transcendência do superorgânico ao primata domesticado

Quiçá esteja cometendo um grande crime praticando o duplipensar
mas que culpa tenho eu, se minha ânsia e essência se fundem ao caos?
se mesmo em minhas mais sublimes meditações, contemplando uma margem de rio
consigo perceber fractais que se recriam sempre que a areia é movida...
Quiçá até minha essência seja uma arma psicológica da policia do pensamento
quando abrem espaço para a mesma se identificar mediante a ética e a moral

Que somente a dúvida acalentaria a razão humana!
e que os homens se tornem cada vez mais cães dóceis
que se contentam com uma cama que os protegem do frio da madrugada
suas tigelas de ração diárias e seus ossos ultra-tecnológicos
Quiçá a liberdade seja um mero esboço...


Emmanuel Goldstein

2 comentários:

Shisuii disse...

Massa.

Pedrotti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.